Neverland m.clara1@hotmail.com não também não

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

2015 Reading Challenge : Conclusão




  Para a minha alegria eu consegui completar todos os itens! E nesse post, vou colocar os itens e os livros que li que os preencheram.

  • A Classic Romance (Um Romance Clássico)
               Orgulho e Preconceito - Jane Austen

  • A Book Published This Year (Um Livro Publicado Nesse Ano)
               O Pequeno Príncipe: A História do Filme - Vanessa Rubio-Barreau

  • A Book Written By Someone Under 30 (Um Livro Escrito por Alguém abaixo dos 30)
            Despertar - Amanda Hocking
       Eu só sei que quando ela escreveu, pelas minhas contas, ela tinha menos de trinta anos. Não é roubar. ;)

  • A Pullitzer Prize - Winning Book (Um Livro que tenha Vencido o Prêmio Pullitzer)
           As Vinhas da Ira - Steinbeck

  • A Book at the Bottom of your To-Read List (Um Livro no Final da sua Lista de Livros para serem Lidos)
            A Elite - Kiera Cass


  • A Book Your Mom Loves (Um Livro que Sua Mãe Ama)
             Vidas Secas - Graciliano Ramos

  • A Book That Scares You (Um Livro que te Assusta)
             Dragão Vermelho - Thomas Harris


  • A Book With Antonyms in the Title (Um Livro com Antônimos no Título)
            Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto

  • A Book Set Somewhere You've Always Wanted To Visit (Um Livro que Se Passa em Algum Lugar que Você Sempre Quis Conhecer)
            Francisco de Assis - João Nunes Maia
        Se passa na Itália. ;)

  • A Book that Come out the Year You Were Born (Um Livro Lançado no Ano em que Você Nasceu)
             Aurora: Os Anjos do Apocalipse - Fritz Utzeri
         Esse foi um dos último itens que cumpri. Vocês tinham que me ver abrindo todos os livros da biblioteca e procurando um livro do ano em que eu nasci.
         Não pretendo fazer resenha desse livro - que infelizmente foi um daqueles mais ou menos -, então vou falar brevemente dele por aqui mesmo. Uma tripulação é enviada em uma missão secreta pela URSS: passar cerca de 36 meses em um submarino distribuindo explosivos em placas tectônicas. A URSS acaba e a missão continua, já que os tripulantes estão incomunicáveis. A ideia base é genial, e algumas "charadas" mais ainda, porém a narração é um pouco cansativa.

  • A Book With Bad Reviews (Um Livro com Resenhas Negativas)
            Lisbela e o Prisioneiro - Osman Lins
       Costumo dizer que "In Tatiana Feltrin we trust", mas dessa vez o efeito foi contrário. Ela não gostou da leitura e por causa desse desafio, fui ler. Gostei muito do livro e, por esse motivo, achei esse um dos mais interessantes itens de todo o challenge.

  • A Trilogy (Uma Trilogia)
             Trilogia de A Seleção da Kiera Cass
        Nesse item eu trapaceei um pouquinho porque o primeiro livro eu tinha lido no ano passado.

  • A Book Set on High School (Um Livro que se Passa no Ensino Médio) 
            Eu Sou um Gênio de Maldade Inenarrável e Quero ser Seu Representante de Turma - Josh Lieb
       Só pelo nome do livro já dá pra sacar que é super engraçado. É sobre um muleque que se declara um gênio do mal que odeia todo mundo (com exceção da cadela dele e da mãe). O grande dilema é saber se não é tudo parte da imaginação dele ou se é tudo verdade. Mentira ou não, ele é um pequeno gêniozinho e eu já conheci uma pessoa assim, o que fez tudo mais divertido. Merecia um filme para passar na Sessão da Tarde? Pra ontem!
      Aliás, esse livro também foi uma pequena trapaça já que se passa no ensino fundamental e não no ensino médio. Mas foi uma trapaça que valeu muito a pena.

  • A Book With a Color In the Title (Um Livro com uma Cor no Título)
           Dragão Vermelho - Thomas Harris

  • A Graphic Novel
            Desista! E Outros Contos Ilustrados - Franz Kafka

  • A Book You Own But Never Read (Um Livro que Você Tem e Nunca Leu)
               O Livro da Mitologia - Thomas Bulfinch

  • A Book Set During Christmas (Um Livro que se Passa Durante o Natal)
              Um dos livros de A Seleção de Kiera Cass
         Não é um livro inteiro que se passa no Natal, mas me lembro vagamente que um dos três contém uma cena natalina, mas também não lembro exatamente qual. Então, sim, é uma pequena trapaça.

  • A Book Written By Someone With You Same Initials ( Um Livro Escrito Por Alguém com as Suas Iniciais)
              O Engenhoso Fidalgo Dom Quixote da Mancha - Miguel de Cervantes
 
  • A Play (Uma Peça/ Roteiro)
              Fausto - Goethe
 
  • A Banned Book (Um Livro Banido)
              O Primo Basílio - Eça de Queirós

  • A Book Based On or Turned Into a TV Show (Um Livro Baseado ou que se Tornou um Programa de TV)
               As Memórias de Sherlock Holmes - Sir Arthur Conan Doyle
        Inspirou uma porção de filmes e séries, inclusive a minha favorita, Sherlock da BBC.

  • A Book You Started But Never Finished (Um Livro que Você Começou mas Nunca Terminou)
             Francisco de Assis - João Nunes Maia
          Comecei a ler em 2007 e terminei esse ano. Obviamente, tive que começar a ler desde o início, e foi uma leitura maravilhosa.
 
  • A Mistery or a Thriller (Um Mistério ou um Thriller)
               Dragão Vermelho - Thomas Harris

  • A Funny Book (Um Livro Divertido)
               Eu Sou um Gênio de Maldade Inenarrável e Quero ser Seu Representante de Turma - Josh Lieb

  • A Book With More Than 500 Pages (Um Livro com Mais de 500 Páginas)
               A Tormenta de Espadas - R.R. Martin
 
  •  
  • A Nonfiction Book (Um Livro Não-Ficcional)
              Olga - Fernando Morais

  • A Book with a One Word Title (Um Livro cujo Título tem Uma Palavra)
              Infância - Graciliano Ramos


  • A Book From An Author You Love That You Haven't Read Yet (Um Livro de um Autor que Você Ama que Você Ainda Não Tenha Lido)
              O Vale do Terror - Sir Arthur Conan Doyle

  • A Book That Became a Movie (Um Livro que Virou Filme)
               O Grande Gatsby - Fitzgerald
           A última versão cinematográfica desse livro conquistou meu coração definitivamente. Diga-se de passagem que eu acho que esse livro foi feito para ser filme, pois que se parece muito com um roteiro e as versões cinematográficas me atraem muito mais do que a própria obra literária.

  • A Book You Can Finish in a Day ( Um Livro que Você Terminou em Um Dia)
               A Escolha - Kiera Cass
           Lembrando que ritmo de leitura bom não quer dizer ótimo livro.

  • A Popular Author's First Book (O Primeiro Livro de um Autor Famoso)
               O Príncipe - Maquiavel
          Primeiros livros de autores famosos são sempre buscas difíceis, por isso nem sei se trapaceei nessee item ou não. Pelas minhas pesquisas, Maquiavel teve outro livro publicado antes desse, mas esse livro foi escrito simultaneamente com O Príncipe pelo que eu entendi. Resumindo, não sei, mas vamos fingir que sim.
  • A Memoir (Memórias)
             Infância - Graciliano Ramos

  • A Book of Short Stories (Um Livro de Contos)
              Feliz Ano Novo - Rubem Alves
          Também censurado quando lançado, esse livro é repleto de contos que tratam de violência sob diversos aspectos: do pobre com o rico, do rico com o pobre, entre amigos, da sociedade, consigo mesmo etc. Alguns contos são bem chocantes e isso faz com que a leitura seja tão poderosa.

  • A Book Based On True Story (Um Livro Baseado em História Real)
             Olga - Fernando Morais

  • A Book More Than 100 Years Old (Um Livro com Mais de 100 Anos de Idade)
             O Engenhoso Fidalgo Dom Quixote da Mancha - Miguel de Cervantes

  • A Book You Were Supposed To Read In School but Didn't (Um Livro que Você Deveria ter Lido na Escola mas Não Leu)
               Os Bruzundangas - Lima Barreto
          Essa trapacinha foi para o bem porque eu li sim, e na época certa. ;)

  • A Book Set In a Different Country (Um Livro que se Passa em um País Diferente)
               Nefertiti e Os Mistérios Sagrados do Egito - Chiang Sing
         Apesar de o Egito ser um local fascinante (principalmente quando se trata de seu passado), não é um dos top 5 locais onde os livros mais se passam.

  • A Book With Nonhuman Characters (Um Livro com Personagens Não-Humanos)
              A Fúria dos Reis - R.R. Martin
       Os dragõezinhos já estão lá.

  • A Book By a Female Author ( Um Livro Escrito por uma Mulher)
           A Luz da Deusa - Rae Beth

  •  
  • A Book Based Entirely on its Cover (Um Livro Baseado Inteiramente na Sua Capa)
            O Corcunda de Notre Dame - Victor Hugo
        Afinal, um livro cuja capa é a própria Catedral, que é, querendo ou não, a personagem principal dessa história incrível.

  • A Book From Your Childhood (Um Livro da Sua Infância)
            Francisco de Assis - João Nunes Maia
        Lembro-me de lê-lo para minha irmã quando ela ainda estava na barriga da minha mãe. *-*

  • A Book With a Love Triangle (Um Livro com Triângulo Amoroso)
            O Grande Gatsby - Fitzgerald

  • A Book that Was Written in Another Language (Um Livro que foi Escrito em Outra Língua)
           1984 - George Orwell

  • A Book That Takes Place in Your Hometown (Um Livro que se Passa na sua Cidade Natal)
             Amar, Verbo Intransitivo - Mário de Andrade
        Há algumas cenas que se passam no Rio de Janeiro, inclusive uma muito divertida dentro de um trem.

  • A Book By na Author That You Never Read Before (Um Livro de um Autor que Você Nunca Leu Antes)
             Capitães de Areia - Jorge Amado
         Li uma obra do autor pela primeira vez esse ano e já se tornou um dos meus favoritos.

  • A Book With Magic (Um Livro Com Magia)
              A Fúria dos Reis - R.R. Martin
         Melisandre que o diga.

  • A Book That Made You Cry (Um Livro que Te Fez Chorar)
              O Corcunda de Notre Dame - Victor Hugo


   Bem, tivemos algumas trapacinhas, mas foram para o bem. Esse challenge foi fundamental para que eu me interessasse por novos autores, livros, gêneros literários etc. Por esse motivo, me tornei a louca dos Desafios e Maratonas Literárias e já estou buscando outros para 2016.
  Espero que tenham ido bem no Challenge desse ano de vocês e boa sorte para os próximos. ;)

sábado, 26 de dezembro de 2015

Vamos Ler Os Miseráveis [Leitura Coletiva 2016]

Link permanente da imagem incorporada



  Proposta levantada pelos canais do Youtube Livro & Café e Jennifer Santos, mas eu vi esmo no canal da Mel Ferraz (Literature-se). Esse livro está na minha meta de 2015 e não consegui lê-lo, e essa leitura conjunta é ideal para que eu me motive a terminar esse calhamaço. É um livro que todo mundo fala muito bem, inclusive, há resenhas maravilhosas da Tatiana Feltrin e da Vevs  Valadares. Além disso, é obra de Victor Hugo, e depois da leitura de O Corcunda de Notre Dame eu duvido muitíssimo que esse homem tenha escrito algo ruim.
  A ideia desse projeto é que até quatro de abril a leitura já esteja terminada, e as meninas dos blogs fizeram uma tabelinha para que se possa ter uma noção do ritmo de leitura (uma média de 150 páginas por semana). Como a minha edição não é da Cosac, mas da Martin, eu devo terminar de ler uma semana antes já que que não há um posfácio. Uma dica pra ajudar na organização prática é dividir  as leituras de cada semana com post its.
  Por fim, há também um evento no Facebook e, para incentivar a leitura e interação, haverá toda uma promoção de postagens semanais no Instagram, Twitter, YouTube, Facebook e tantas outras redes através da tag #LendoOsMiseraveis .

domingo, 20 de dezembro de 2015

Resenha de O Primo Basílio

  Luísa é uma mocinha casada com Jorge. Ela vive no século XIX e constitui com seu marido uma família burguesa, mesmo assim, se acha pobre. Romântica e amante de romances. Vida muito calma, até seu marido viajar a trabalho e seu primo, Basílio, com quem teve um bobo romance quando era mais nova, começar a visitá-la frequentemente.
  Outro elemento importante da história é o fato da empregada Juliana descobrir sobre o adultério, e encobri-lo, ganhando várias regalias em troca disso. Dessa forma, a patroa vira empregada e vice-versa - ou seja, isso não aconteceu pela primeira vez em Avenida Brasil, não é mesmo?
  Os personagens são todos muito estereotipados propositalmente, pois que são uma crítica à camadas sociais. Por esse motivo, e também pelo fato de falar de adultério, O Primo Basílio, foi duramente censurado em sua época de lançamento.
  As moças recatadas e românticas que me perdoem, mas eu cheguei a rir com muitas da atitudes de Luísa. A personagem que mais gostei foi Leopoldina, que era chamada de diversos nomes por ser adúltera e se divertir com os homens, mas que realmente assumia quem era. Dizia abertamente que gostaria de ser homem, que sentia falta de sua época de colegial onde ficava com algumas de suas amigas, que dizia absurdos, mas que dizia, sobretudo, a verdade sobre si.
    Quanto ao ritmo de leitura, é bem tranquilo, mas confesso que em algumas divagações de Luísa, pode acontecer de o leitor ficar meio travado. De resto, é uma leitura muito interessante para refletirmos a questão do realismo português e a leitura vale muito a pena.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Trechos de God Of War

Imagem de god of war, kratos, and game



  Já vai fazer dois anos que li (e reli) esse livro. É baseado no vídeo game de mesmo nome e , como se pode perceber, se utiliza da temática da mitologia grega. Foi muito significativo pra essa época da minha vida, mas confesso que não me lembro perfeitamente de tudo para resenha-lo apropriadamente. Entretanto, achei em alguns cadernos antigos alguns trechos que me agradaram e resolvi compartilhar com vocês.

"Agora ele não tinha nada. Não era nada. De tudo o que não o abandonara, ele se livrou."

"O impacto engole tudo o que ele foi, tudo o que ele é, tudo o que ele fez e tudo o que foi feito a ele, em uma explosão estilhaçada de noite."

"Sua beleza lhe empresta a impressão de charme. Seu comportamento a dissipa."

"Você não deve pensar muito [...]. Isso só vai torna-lo louco, mas, enfim, você está aqui, então já deve estar louco."

"Recuar não fazia parte da sua constituição. Vencer ou morrer. Como sempre."

"Se você fosse metade do homem que pensa ser, você poderia, deveras, exceder o sol em brilho."

"A água marinha enevoava seu rosto e formava gotículas em seus cabelos, como constelações de diamantes estrelados."

"A irritação é uma lâmina que talha minha paciência perigosamente curta."

"Nessa simplicidade repousa a verdade."

"A sorte favorece os audazes."

"Você perde o controle dos dias aqui. Um é muito parecido com o próximo, e ambos, amanhã e depois, são como todos os anteriores."

"Loucos em busca de poder e tolos procurando por glória."

"As memórias rugiam para ele como um oceano inundando um dique quebrado."

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Organizando Skoob, Filmow e Banco de Séries

Imagem de MadBitten



  Pode confessar que se depender das pessoas, os sites que são para organizar livros, filmes e séries ficam ainda mais caóticos. Então, vamos lá arrumar.


1. O Básico

  De novo? De novo.


2. Eu quero mesmo isso?

  Achou aquele livro no "Quero Ler" e você nem sabe mais a que se refere? Deu uma lida na sinopse e mesmo assim não (re)ssurgiu a vontade de ler? Está na hora de tirá-lo de lá.
  Deu uma lida nas suas resenhas antigas e não gostou? Por que mantê-las lá então?
  Não sabe por que você marcou esse filme como favorito? Então desfaça a estrelinha nele.
  Tal série está na sua grade, mas você não vê um capítulo dela e nem se interessa faz meses? Hora de tirá-la de lá.
  Se algo está salvo apenas para fazer número, isso acabará atrapalhando a sua organização. Portanto, exclua o que mais te incomoda do que ajuda.


3. Defina Metas

  O Skoob incentiva suas metas através de competição com os seguidores e pontuação.
  O Banco de Séries te ajuda a lidar com as maratonas e te sugere novas séries de acordo com a temporada.
  Já o Filmow mostra os lançamentos do ano para que você possa atualizar a sua lista.
  Tenha uma breve noção do que você quer pôr em dia levando em consideração que séries, livros e filmes são (provavelmente) um hobbie e mantenha seu lazer uma bagunça menos caótica.

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Organizando Tumblr, Pinterest e We Heart It

Imagem de nasty gal, inspo, and quotes



1. O Básico

  Sim, mais uma vez vamos seguir as recomendações básicas por questões óbvias: é o básico. É interessante sempre manter fotos, capas, follows atualizados. Pode levar um tempo, mas dar unfollow em todos os blogs que não postam mais nada que lhe interessa, vai tornar sua dashboard bem melhor.


2. Analisando

  Boa parte das pessoas que se viciaram no Tumblr na época do "Limite de Post" certamente acabaram burlando esse inconveniente de maneira muito simples: criando outro. Se você fez parte desse clube, o tempo provavelmente passou e você continua tendo esses blogs extras, mesmo que não use mais. Esse é o momento para acabar com esse problema. Se não usa o tumblr há muito tempo, exclua. Dessa forma, você vai disponibilizar, inclusive, até uma url que alguém podia estar querendo faz tempo. Se não quiser perder likes e follows interessantes, salve as melhores imagens e anote esses usuários para seguir no Tumblr que você vai manter.


3. Pergunte-se

  Qual é o intuito desse meu Tumblr? Estou seguindo-o satisfatoriamente?
  Essas coleções do We Heart It eu não uso para nada... Preciso mesmo tê-la?
  Por que sigo essa coleção no Pinterest se ela não e inspira?
  Mais uma vez vou bater na principal tecla. Se não lhe serve, para que manter? Assim como na vida real, podemos aplicar também no virtual. Não tente manter mais sites do que pode. Não torne esse hobbie em uma obrigação.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Organizando o Nyah!, Social Spirit, Wattpad e outras plataformas de fanfic

Tags mais populares para esta imagem incluem: vintage, typewriter e red



  A gente posta cem histórias, dá andamento pra meia dúzia e lê outras mil. Fica difícil ser organizada assim, mas não é impossível. Vamos começar.


1. Primeiro: O Básico

  A primeira postagem sobre Organização se aplica para todos esses sites. Ou seja, mudar ou manter foto de perfil, capa, amigos, e descrições. Seu perfil deve condizer o que você pretende naquele site.


2. Suas Fanfics

  Avalie-as.
 Sabe aquela fanfic postada em 2006? Aquela que você tem apego mas sabe que é bem ruinzinha? Salve ela no computador e leia sempre que quiser. Mas não vale a pena deixar ela postada, porque, querendo ou não, todas as suas fics constroem a sua imagem de autora. Uma boa história atrai leitores para suas outras histórias, mas uma história ruim afasta.
  Sabe aquela fanfic que você não atualiza há 2 anos? O quê? Você pretende atualizar? Só pra começar, se você não escreve há dois anos, dificilmente você vai lembrar do enredo e de detalhes importantes que você pode acabar contradizendo futuramente. Mas, se você estiver com uma vontade enorme de continuar, leia toda ela e pesquise sobre os temas abordados para reavivá-la na memória. Mas, dessa vez, não demore tanto a atualizar.
  Sabe suas fanfics favoritas? Dê uma olhada na sinopse. Ela está atrativa? Se sim, ótimo. Se não, tente escrever outra. Se ela é sua favorita, também pode ser a de outra pessoa. Mas só será favorita de outra pessoa caso se interessem pela história o suficiente para lê-la, e para isso é preciso uma boa sinopse. Também é interessante uma divulgação básica nas suas redes sociais, grupos voltados especificamente para fanfics etc. Uma outra maneira interessante é ler histórias com temáticas parecidas com as suas e deixar comentários - mas não divulgando a sua história, no caso, porque outros leitores e o próprio autor, por si só, acabarão se interessando por você e vão checar suas histórias. Ou seja, marque presença como leitor para que possa marcar presença como autor.
  Analise também as histórias que não foram postadas. Tente deixá-las organizadas em pastas específicas para elas. Veja seus planejamentos e planos para cada uma e veja o que irá ou não ser postada.


3. As Fanfics dos Outros

  Lemos muitas histórias e por empolgação acabamos marcando umas mil como favoritas. Um ano depois, você se lembra da história e nem acha tudo isso. Ainda assim, ela continua nos seus favoritos. Melhor fazer uma limpeza, não é? Olhe seus favoritos e remova o que não é mais favorito (por motivos óbvios).
  Quanto às recomendações, infelizmente para leitores desavisados, o Nyah! não permite que eles as excluam. Uma vez que você recomende a história, já era. Só sai do seu perfil se a história for excluída. Portanto, pense bem antes de enviar uma recomendação e escreva-a com carinho tanto para agraciar o autor, quanto para mostrar que, além de bom autor, você também é bom leitor.
  Cheque também suas leituras em andamento: você ainda se interessa por todas as histórias que estão lá? O autor de tal fic não atualiza há um ano... Será que vale a pena deixá-la em acompanhamento?
  Aliás, comente! Leia as histórias, diga o que você pensa sobre o capítulo, se manifeste! É motivador para o autor e faz bem pro coração - mas apenas se seus comentários forem cabíveis e respeitosos.


  E é isso. Qualquer dúvida, é só deixar nos comentários. Em breve uma nova postagem sobre organização virtual.

Poesia da Semana #13




O Gondoleiro do Amor
Castro Alves

    Teus olhos são negros, negros,
    Como as noites sem luar...
    São ardentes, são profundos,
    Como o negrume do mar;
     
    Sobre o barco dos amores,
    Da vida boiando à flor,
    Douram teus olhos a fronte
    do Gondoleiro do amor.
     
    Tua voz é a cavatina
    Dos palácios de Sorrento,
    Quando a praia beija a vaga,
    Quando a vaga beija o vento;
     
    E como em noites de Itália,
    Ama um canto o pescador,
    Bebe a harmonia em teus cantos
    O Gondoleiro do amor.
     
    Teu sorriso é uma aurora,
    Que o horizonte enrubesceu,
    -Rosa aberta com o biquinho
    Das aves rubras do céu.
     
    Nas tempestades da vida
    Das rajadas no furor,
    Foi-se a noite, tem auroras
    O Gondoleiro do amor.
     
    Teu seio é vaga dourada
    Ao tíbio clarão da lua,
    Que, ao murmúrio das volúpias,
    Arqueja, palpita nua;
     
    Como é doce, em pensamento,
    Do teu colo no languor
    Vogar, naufragar, perder-se
    O Gondoleiro do amor!?...
     
    Teu amor na treva é - um astro,
    No silêncio uma canção,
    É brisa - nas calmarias,
    É abrigo - no tufão;
     
    Por isso eu te amo querida,
    Quer no prazer, quer na dor...
    Rosa! Canto! Sombra! Estrela!
    Do Gondoleiro do amor

domingo, 13 de dezembro de 2015

Organização de Fim de Ano das Redes Sociais

Imagem de computer, tumblr, and party
 


  Início de férias, vamos começar a colocar em dia postagens nos blogs, fanfics, redes sociais etc. Mas para isso, é preciso que essas últimas estejam organizadas e essa organização, ainda que precise de um pouco de fôlego é bem simples. Trarei algumas dicas gerais e específicas para que você possa fazer isso da melhor forma possível.


O Básico


1. Atualize fotos de perfil, capas e layouts

  Se a foto de perfil e a capa estão antigas ou não te representam bem, se for do seu desejo, troque. Procure substitutas com calma, para que você não tenha que se preocupar em trocar ao longo do ano. Também é uma boa época para procurar novos layouts para tumblrs e blogs, porque se o que você tiver não agradar você ou ao seu público, a motivação para postagens e leituras vai cair e muito. O ideal é que o template ou layout não possua muita informação, para que não demore a carregar ou sobrecarregue o leitor.


2. Cheque o seu perfil

  Veja se todas as informações que estão nele correspondem à sua atual realidade. Lembre-se que o seu perfil é a sua imagem na internet e que todos podem ter acesso a ele, exceto àquilo que você colocar como informação privada.
  Olhe também algumas postagens mais antigas e pense se aquilo condiz com o que você intenta mostrar ao mundo. Se não, exclua.


3. Avalie suas amizades

  Ter mil amigos em uma rede social pode não ser bom, ainda mais se você não conhecer a todos. Até porque todos eles podem ter acessos à suas informações, e isso pode não ser favorável. Além disso, ser obrigado a ver publicações que te desagradam de pessoas que você nem mesmo considera é desnecessário.


4. Você realmente precisa disso?

  Se você quase não usa a rede social, você não precisa estar nela. Pense que quanto menos redes sociais você tiver, menos trabalho para manutenção, mais tempo para a vida real (que é a verdadeira prioridade). Se você se obriga a estar naquela rede, saia.



  Em breve, farei mais postagens de organização, só que mais voltados para cada site, como, por exemplo, Nyah!, Facebook, Twitter, Pinterest, Tumblr, etc.

 

sábado, 12 de dezembro de 2015

Indicação #07 : O Canto do Oceano


O Canto do Oceano

  Esses dias eu estava falando sobre livros de sereias. Agora, vou falar sobre fanfics do assunto. O fato é que a autora Lady Morgana vêm me conquistando com muitas de suas histórias, e uma com uma temática que me interessa tanto não poderia deixar de ser indicada.
  O Canto do Oceano se passa na Espanha em uma época cheia de antíteses, onde assim como a própria religiosidade era muito comum, a pirataria também estava no auge. A personagem principal, apesar de não me interessar logo de primeira, logo se mostra forte diante dos problemas que começam a aparecer e a chamar a atenção dos leitores.
  Ainda que a autora não atualize essa fic há um tempinho, tenho a esperança de que ela possa acabar continuando de uma hora para outra; e mesmo que isso não aconteça, acho que vale muito a pena ler mesmo assim. Até porque a transformação humana-sereia é uma cena muito intensa e inovadora, além, é claro, das explicações para tal. Um outro aspecto de relevância é que a autora indica as músicas que usou de inspiração para cada capítulo, o que torna a leitura ainda melhor.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Resenha de O Livro da Mitologia


 


   Comprei esse livro na Bienal de 2011. Surtei quando vi o livrinho a 10 reais na época em que eu achava que livro bom só se achava acima de 30. Cheguei em casa e fui com sede ao pote. Mas sede de criança é sede de leite com chocolate, não de hidromel. Eu era imatura demais para o livro.
  Mais de quatro anos se passaram até que eu finalmente consegui terminar de ler. É uma obra que demanda muita atenção pois que a maioria das histórias não são estritamente ligadas. O autor resume as histórias de personagens de mitologias, principalmente grega e romana, ainda que lá para o final haja um pouco de mitologia hindu, nórdica e celta. Também mostra como esses personagens entram em obras de autores importantes e influentes como Milton e Byron. Li com ritmo lento e intercalando com outras leituras, até porque decidi absorver ao máximo de todas as histórias, para que futuramente eu entenda toda e qualquer referência a elas. Recomendo muito esse tipo de leitura, mas o leitor só obterá prazer de verdade lendo O Livro da Mitologia se já tiver tido contato e interesse em relação ao mundo da mitologia.

  As únicas coisas que me incomodaram um pouco foi a mistura dos nomes gregos e romanos, mas, principalmente, alguns trechos em que o autor se mostrava preconceituoso em relação ao paganismo.
  No geral, possui conteúdo muito rico e válido.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Poesia da Semana #12





Vagabundo
Álvares de Azevedo


Eu durmo e vivo ao sol como um cigano,
Fumando meu cigarro vaporoso;
Nas noites de verão adoro estrelas;
Sou pobre, sou mendigo e sou ditoso!
Ando roto, sem bolsos nem dinheiro;
Mas tenho na viola uma riqueza:
Canto à lua de noite serenatas,
E quem vive de amor não tem pobreza.
Não invejo ninguém, nem ouço a raiva
Nas cavernas do peito, sufocante,
Quando à noite na treva em mim se entornam
Os reflexos do baile fascinante.
Namoro e sou feliz nos meus amores;
Sou garboso e rapaz...Uma criada
Abrasada de amor por um soneto
Já um beijo me deu subindo a escada...
Oito dias lá vão que ando cismando
Na donzela que ali defronte mora.
Ela ao ver-me sorri tão docemente!
Desconfio que a moça me namora...
Tenho por meu palácio as longas ruas;
Passeio a gosto e durmo sem temores;
Quando bebo, sou rei como um poeta,
E o vinho faz sonhar com os amores.
O degrau das igrejas é meu trono,
Minha pátria é o vento que respiro,
Minha mãe é a lua macilenta,
E a preguiça a mulher por quem suspiro.
Escrevo na parede as minhas rimas,
De painéis a carvão adorno a rua;
Como as aves do céu e as flores puras
Abro meu peito ao sol e durmo à lua.
Sinto-me um coração de lazzaroni;
Sou filho do calor, odeio o frio,
Não creio no diabo nem nos santos...
Rezo à nossa senhora e sou vadio!
Ora, se por aí alguma bela
Bem doirada e amante da preguiça
Quiser a nívea mão unir à minha,
Há de achar-me na Sé, domingo, à missa

É Ela! É Ela! É Ela! É Ela!

É ela! É ela! - murmurei tremendo,
E o eco ao longe murmurou - é ela!
Eu a vi... minha fada aérea e pura -
A minha lavadeira na janela!
Dessas águas-furtadas onde eu moro
Eu a vejo estendendo no telhado
Os vestidos de chita, as saias brancas;
Eu a vejo e suspiro enamorado!
Esta noite eu ousei mais atrevido
Nas telhas que estalavam nos meus passos
Ir espiar seu venturoso sono,
Vê-la mais bela de Morfeu nos braços!
Como dormia! Que profundo sono!...
Tinha na mão o ferro do engomado...
Como roncava maviosa e pura!...
Quase caí na rua desmaiado!
Afastei a janela, entrei medroso...
Palpitava-lhe o seio adormecido...
Fui beijá-la... roubei do seio dela
Um bilhete que estava ali metido...
Oh! de certo... (pensei) é doce página
Onde a alma derramou gentis amores;
São versos dela... que amanhã de certo
Ela me enviará cheios de flores...
Tremi de febre!
Venturosa folha!
Quem pousasse contigo neste seio!
Como Otelo beijando a sua esposa,
Eu beijei-a a tremer de devaneio...
É ela! É ela! — repeti tremendo;
Mas cantou nesse instante uma coruja...
Abri cioso a página secreta...
Oh! Meu Deus! Era um rol de roupa suja!
Mas se Werther morreu por ver Carlota
Dando pão com manteiga às criancinhas
Se achou-a assim mais bela — eu mais te adoro
Sonhando-te a lavar as camisinhas!
É ela! É ela! meu amor, minh'alma,
A Laura, a Beatriz que o céu revela...
É ela! É ela! — murmurei tremendo,
E o eco ao longe suspirou — é ela!

domingo, 6 de dezembro de 2015

Resenha de Despertar




  Esse é o típico livro que a gente acha na Bienal por um preço baratinho, nunca ouviu falar e a capa chamou atenção. Felizmente, foi uma ótima leitura. Ritmo excelente. Há passagens de climas positivos para negativos de forma fluida, por exemplo, em um momento descreve-se uma cena linda em alto-mar, na outra descreve-se mortos - cena essa que ficou na minha cabeça por muito tempo de tão forte.
  De qualquer forma, o conteúdo se relaciona às sirenas (as "irmãs malvadas" das sereias), e sou fascinada pelo tema; talvez por este motivo tenha me atraído tanto pela obra literária. Entretanto, um caso grave entre os livros dessa temática é que as histórias deles são muito parecidas: uma menina normal que tem sua vida mudada de repente quando uma série de mistérios acontece; então ela começa a desconfiar de uma outra garota que transforma ela numa sereia. Teremos, porém, algumas variáveis, que são a personalidade da principal e como ela vai ser transformada em sereia/sirena. Essa última variável, felizmente, é bem colocada por Despertar, já que aborda a mitologia grega de forma bastante interessante.
  O intuito da autora era que os leitores ficassem curiosos com o final para que buscassem logo o próximo, mas não ando com um estado de espírito muito impulsivo para tal. Por isso lerei a continuação quando der. De resto, é uma leitura bem rapidinha e válida.

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

TAG dos Títulos

  Nessa TAG, os livros são escolhidos a partir de critérios sobre seus títulos. O vídeo original é esse aqui, e, como quase sempre, encontrei a TAG no Letras de Batom.


1. O Título Mais Longo de Um livro que Você Tem

  Alice no País das Maravilhas e Alice Através do Espelho e O Que Ela Encontrou Por Lá. Este livro une as duas histórias da curiosa Alice criada por Carrol em um só. É muito mais confuso do que qualquer desenho animado, repleto de musiquinhas comicamente esquisitas. Com um olhar mais atento, entretanto, pode-se perceber costumes da época com o comportamento de alguns personagens, inclusive o de Alice.

2. O Título Mais Curto de Um Livro que Você Tem

Paixão. Tinha vários livros com 5 letras, entretanto, escolhi o que a pronúncia era a mais rápida. O título desse livro é um tanto quanto desanimador e metido a clichê, e por mais que possua essas doses, também possui seus encantos.


3. Um Título Que Não Tem Absolutamente Nada A Ver Com O Livro

O Físico. A tradução do título do livro foi feita erradamente. Tal livro, na verdade, conta a história de um órfão que tem como tutor um barbeiro que também realizava alguns procedimentos relacionados à saúde, como sangrias, amputações etc. Logo, ele desenvolve interesse pelo ramo da medicina e faz de tudo para poder aprendê-la e exercê-la. Então, supostamente, a tradução correta para o título seria O Médico.


4. Um Título Que Descreve O Livro Perfeitamente

Memórias Póstumas de Brás Cubas. Não há muito o que dizer, o título é autoexplicativo: são as memórias contadas por Brás Cubas após a sua morte.

5. O Título Mais Chato

Memórias de Um Sargento de Milícias. Apesar de o título parecer bem chato, eu gostei bastante da obra, que contém aspectos cômicos da sociedade brasileira na época que remonta.

6. Misturar Todos Os Títulos Que Escolheu e Faça Seu Próprio Título

Memórias Póstumas de uma Alice Através da Paixão Pelo Físico. Ficou bem longo, e eu não acho que leria um livro com esse nome. Ou ao menos, não daria prioridade a essa leitura. Parece que algum tipo de comédia, não sei. Mesmo assim, foi a parte mais legal da TAG. :)

Obs.: Finalmente, coloquei outra história no FFOBS. É uma história antiga, mas tenho ligação sentimental com ela, pois foi a primeira fic que eu finalizei (em 2012). Por ela, vejo o quanto melhorei minha escrita. O nome é Raptus, e é sobre uma série de desaparecimentos. Ela não foi reescrita, mas foi adaptada para caber em âmbitos interativos. Leia em versão interativa aqui, ou em versão normal aqui.

domingo, 22 de novembro de 2015

Resenha de O Corcunda de Notre Dame



  Não faz nem dez minutos que acabei de ler, mas não consegui esperar mais para falar sobre essa obra incrível de Victor Hugo. Dizem que é bom esperar um pouco após o fim da leitura do livro antes de fazer a resenha para evitar comentários empolgados e impulsivos, mas temo esquecer de comentar algo depois. Além do mais, qual é o grande problema de comentários empolgados depois de uma leitura? Isso quer dizer que impressionou. E se quer uma resenha que expresse exatamente a forma como o leitor se sente, que seja a que ele escreveu segundos depois da leitura.

  Devaneios à parte! Que livro é esse, Senhor? Senhora? Alguém me responda! Coloquei-o na minha meta do Skoob por causa de um antigo interesse somado à resenha maravilhosa da Vevs. Os Miseráveis, do mesmo autor, e pelos mesmos motivos citados, também estava nessa meta. Comprei este último primeiro, mas pelo tamanho acabei deixando para depois. Mesmo sem tê-lo lido, comprei O Corcunda de Notre Dame na Bienal na edição linda, ilustrada, de capa dura, comentada, maravilhosa da Zahar e por pura impulsividade comecei a ler. Quando me dei por mim, já havia engolido a obra.

   Verdade seja dita, a Disney fez um ótimo trabalho com sua animação da obra literária de Victor Hugo, mas não pense que são idênticas. São dois projetos maravilhosos, mas são distintos e devem ser avaliados com olhares diferenciados. Só para começar, há mais personagens no livro, cujas personalidades e histórias são mais aprofundadas. A Esmeralda, na minha opinião, é a personagem que mais difere nas duas versões, tanto na aparência como no comportamento. A Esmeralda da Disney é uma mulher feita, cheia de atitude, senso de justiça e sensualidade. A do livro é uma jovem de dezesseis anos de coração muito bom e puro, ingênua, crédula, e cuja própria sensualidade passa desapercebida pela mesma. Enquanto a animação escolheu representar apenas a bondade de Quasímodo - além de amaciar a sua feiura -, Claude Frollo foi muito bem representado pela animação, com sua contrastante luxúria e religiosidade. Já o Phoebus da adaptação se torna um galante guerreiro, digno e apaixonado verdadeiramente pela cigana, o Phoebus do livro é um galante canalha. Em uma última comparação, nota-se que o Clopin da animação se mostra uma mistura de Gringoire, Jehan e do próprio Clopin do livro. Por fim, alguns outros personagens de destaque ausentes da produção da Disney são Pierre Gringoire (um filósofo involuntariamente cômico que gosta mais de uma cabra do que de gente), Jehan Frollo (o irmãozinho mimado de Claude) e Fleur-de-Lys (a noiva pálida de Phoebus - quase uma Sansa, diga-se de passagem).

  Feitas analogias necessárias, deixemos a versão da Disney de lado, e nos aprofundemos no clássico de Victor Hugo. Conta-se algumas das marcantes histórias que ocorrem no cenário de Paris ao redor (e dentro) de Notre Dame durante a Idade Média: desde os ciganos do Pátio dos Milagres à vida dos burgueses, e até mesmo do rei. Temos como destaque a figura da cigana Esmeralda que encanta a todos, o que inclui Phoebus, Quasímodo e o Arquidiácono Frollo, e exclui algumas carolas e uma estranha mulher que passa a vida a rezar e gritar pela filha perdida. A partir disso, o narrador passa a expor o que se passa na vida, na mente e no coração dos personagens que enredam esta trama. Personagens esses que são muito bem construídos, com suas qualidades e defeitos, pensamentos, impulsos, sentimentos; todos repletos de realidade.

  Ainda que haja algumas pausas para devaneios do narrador - como descrições de Paris, Notre Dame, da vida do rei, e da arquitetura da época -, todos eles têm uma função. Victor Hugo não devaneia por devanear, há uma intenção por trás de cada um - e o vídeo da Vevs fala sobre isso. A narrativa tem um ritmo maravilhoso que faz com que cem páginas pareçam vinte.

  O Corcunda de Notre Dame se tornou um dos meus livros favoritos antes mesmo que eu o terminasse. Eu sabia que, independentemente do fim, eu já havia sido conquistada pelos personagens, narração, enredo, ironias, referências, tudo! Tive uma enxurrada de sentimentos com essa leitura como não tenho há meses! É a melhor leitura que eu fiz nesse ano (que nem acabou) e eu a recomendo profundamente.

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Conclusões da #Revezatona (dividido por 2)





  Na verdade essa maratona 24 horas deveria ser dividida por quatro, porque ainda que eu tenha escolhido fazer apenas metade dela, acabei dormindo seis horas das doze propostas. Um fracasso, eu sei. Mas poderia ser pior.
  Dos três objetivos, cumpri um, fiz metade de outro, e ainda desisti de aqueloutro. Sim, foi pior. Mas poderia ser ainda pior, porque mesmo não estando nos objetivos, consegui terminar um livro.
  Mas, fracassos à parte, vamos ver o que foi conquistado ou não.

- Ler dois capítulos de A Tormenta das Espadas OK
- Ler 100 páginas de O Corcunda de Notre Dame 70/100 QUASE OK
- Começar a Ler O Dragão Vermelho AREGUEI

+ Terminei de ler O Grande Gatsby


  Ainda que essas maratonas promovam muitos flops, elas promovem ainda mais leituras que, mesmo sendo fracassadas, não teriam sido feitas com tanto entusiasmo anteriormente. Portanto, todos os flops são sucessos, migas. Até a próxima maratona.

domingo, 8 de novembro de 2015

Sobre o Honeymoon






  Fiquei adiando para ir escutar o álbum, já que minhas expectativas não eram altas. Mas quando a bad chega, não há falta de expectativa que resista à novas músicas de dona Lana.
  Assim como o Ultraviolence, esse também fala muito sobre a vida pessoal da cantora (e os fãs que a acompanharam nesses últimos dois anos devem entender do que estou falando). Para aqueles que expectativaram algo como o Born to Die, podem se retirar novamente, porque ainda que algumas faixas lembrem um pouco, Lana Del Rey parece ter abandonado de vez a onda de trabalhos "comerciais".
  De qualquer forma, o álbum será avaliado como sempre faço: o nome da música, algo que tenho a dizer sobre ela e a parte favorita.
 
 
Honeymoon
  A música que dá título ao álbum já deixa bem claro como o estilo das outras músicas será: o tradicional romântico entristecido).
 
"We both know that it's not fashionable to love me, but you don't go cause truly there's nobody for you but me."
 
 
Music To Watch Boys To
 
  Para ser bem sincera, gosto mais do videoclipe do que da própria música. De qualquer forma, ela é um pouco mais animada que a música anterior.
 
  "Oh, I see you're going. So I play my music, watch you leave."
 
 
Terrence Loves You
 
  Fiquei sem reação quando ouvi essa música, a qual acredito ser uma das mais pessoais da Lana. Inclusive, acho que é a mais triste dela. Além da letra forte, a parte instrumental também me parece muito encantadora e bem construída.
 
"But I lost myself when I lost you, but I still got jazz when I've got those blues."
 
 
God Knows I Tried
 
  Essa canção me traz um deja vú muito forte. Acredito que seja porque a tonalidade e a extensão de cada verso me lembra algumas músicas que não consigo identificar. A melodia é muito agradável, e é uma das minhas favoritas do álbum.

"Sometimes I wake up in the morning to red, blue and yellow lights. On monday they destroyed me, but by Friday I revived."
 
 
 
 
High By The Beach
 
  Ao contrário de Music To Watch Boys To, ainda que a cenografia seja interessante, prefiro muito mais a música do que o clipe e eu esperava algo um pouco diferente. O single me lembrou um pouco a época de Sirens devido ao tom mais próximo ao sereismo. A voz da Lana também reflete bem o refrão da música e faz parecer que ela está realmente "alta".
 
"All I wanted to do was get high by the beach get high baby, baby, bye bye"
 
 
Freak
 
  Essa é uma das que mais me lembram o Born To Die. Parece-me uma mistura de Queen of Gas Station, Lolita e Florida Kilos. Geralmente, é uma das favoritas das pessoas.
 
"So let's dance in slow motion. Tear it up, tear it up. Let's dance by the ocean."
 
 
Art Deco
 
  Particularmente, acho ela um pouco deslocada do álbum e por isso é a que menos gosto. Ainda assim, lembra-me um pouco as músicas unreleased mais antigas da cantora.
 
"Club queen on the downtown scene, prowling around at night. You're not mean, you just born to be seen. Born to be wild."
 
 
Bornt Norton
 
  É um Interlude, então se você sentiu falta da Laninha recitando poesia, esta é a faixa.

Religion
 
  Fica muito claro nesta música que, por mais que haja um pouco mais de libertação nas outras, ainda resta muito do amor dependente peculiar à Lana Del Rey.
 
"It never was about the money or the drugs. For you, there's only love. For you, there's only love. It never was about the party or the clubs. For you, there's only love."
 
 
 
Salvatore
 
  Definitivamente, minha favorita do álbum. Adoro as partes em que a Lana fala em italiano, e a letra tem algo tão verdadeiro em si... Há também a melodia, a voz, o instrumental... É maravilhosa!
 
"Everything looks better from above my king. Like aqua marine, ocean's blue."
 
 
The Blackest Day
 
  Mais uma de amor de vassalagem que, talvez por causa do nome, me lembra o Black Beauty.
 
"Because I'm going deeper and deeper, harder and harder, getting darker and darker. Looking for love... in all the wrong places. Oh my god! In all the wrong places! Oh my god!"
 
 
24
 
   Essa música se aprofunda na questão do amor e das mentiras e na forma como coexistem. Soa como uma música triste dos anos sessenta.
 
"There's only 24 hours and that's not enough  to lie like you lie or love like you love."
 
 
Swan Song

 
  Essa faixa é interessante pelo fato de o nome se referir ao mais belo canto dos cisnes: o último. Quando você compara essa história com a letra da música, tudo se mostra bem mais marcante.
 
"And you've been gone so long, you missed everything."
 
 
 
Don't Let Me Be Misunderstood

  O instrumental é bastante interessante e a música fecha muito bem o album.
 
"But I'm just a soul whose intentions are good. Oh, Lord, please, don't let me be misunderstood."

Popular Posts

Atualizações

  • Born To Ultraviolence será postada agora no Wattpad.
  • Capítulo 2 de Crybaby no Wattpad.
  • The Moon Over Me finalizada no Nyah!
  • The Moon Over Me está também disponível no Social Spirit.
  • Another Dead e Clever foram excluídas.

Unordered List

Tecnologia do Blogger.

Seguidores