Neverland m.clara1@hotmail.com não também não

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Poesia da Semana #11




Satânia - Olavo Bilac

Thumb

 






Nua, de pé, solto o cabelo às costas,
Sorri. Na alcova perfumada e quente,
Pela janela, como um rio enorme
De áureas ondas tranqüilas e impalpáveis,
Profusamente a luz do meio-dia
Entra e se espalha palpitante e viva.
Entra, parte-se em feixes rutilantes,
Aviva as cores das tapeçarias,
Doura os espelhos e os cristais inflama.
Depois, tremendo, como a arfar, desliza
Pelo chão, desenrola-se, e, mais leve,
Como uma vaga preguiçosa e lenta,
Vem lhe beijar a pequenina ponta
Do pequenino pé macio e branco.

Sobe... cinge-lhe a perna longamente;
Sobe... - e que volta sensual descreve
Para abranger todo o quadril! - prossegue.
Lambe-lhe o ventre, abraça-lhe a cintura,
Morde-lhe os bicos túmidos dos seios,
Corre-lhe a espádua, espia-lhe o recôncavo
Da axila, acende-lhe o coral da boca,
E antes de se ir perder na escura noite,
Na densa noite dos cabelos negros,
Pára confusa, a palpitar, diante
Da luz mais bela dos seus grandes olhos.

E aos mornos beijos, às carícias ternas
Da luz, cerrando levemente os cílios,
Satânia os lábios úmidos encurva,
E da boca na púrpura sangrenta
Abre um curto sorriso de volúpia...
Corre-lhe à flor da pele um calefrio;
Todo o seu sangue, alvoroçado, o curso
Apressa; e os olhos, pela fenda estreita
Das abaixadas pálpebras radiando,
Turvos, quebrados, lânguidos, contemplam,
Fitos no vácuo, uma visão querida...

Talvez ante eles, cintilando ao vivo
Fogo do ocaso, o mar se desenrole:
Tingem-se as águas de um rubor de sangue,
Uma canoa passa... Ao largo oscilam
Mastros enormes, sacudindo as flâmulas...
E, alva e sonora, a murmurar, a espuma
Pelas areias se insinua, o limo
Dos grosseiros cascalhos prateando...

Talvez ante eles, rígidas e imóveis,
Vicem, abrindo os leques, as palmeiras:
Calma em tudo. Nem serpe sorrateira
Silva, nem ave inquieta agita as asas.
E a terra dorme num torpor, debaixo
De um céu de bronze que a comprime e estreita...

Talvez as noites tropicais se estendam
Ante eles: infinito firmamento,
Milhões de estrelas sobre as crespas águas

De torrentes caudais, que, esbravejando,
Entre altas serras surdamente rolam...
Ou talvez, em países apartados,
Fitem seus olhos uma cena antiga:
Tarde de Outono. Uma tristeza imensa
Por tudo. A um lado, à sombra deleitosa
Das tamareiras, meio adormecido,

Fuma um árabe. A fonte rumoreja
Perto. À cabeça o cântaro repleto,
Com as mãos morenas suspendendo a saia,
Uma mulher afasta-se, cantando.
E o árabe dorme numa densa nuvem
De fumo... E o canto perde-se à distância...
E a noite chega, tépida e estrelada...

Certo, bem doce deve ser a cena
Que os seus olhos extáticos ao longe,
Turvos, quebrados, lânguidos, contemplam.
Há pela alcova, entanto, um murmúrio
De vozes. A princípio é um sopro escasso,
Um sussurrar baixinho.. . Aumenta logo:
É uma prece, um clamor, um coro imenso
De ardentes vozes, de convulsos gritos.
É a voz da Carne, é a voz da Mocidade,
- Canto vivo de força e de beleza,
Que sobe desse corpo iluminado...

Dizem os braços: "- Quando o instante doce
Há de chegar, em que, à pressão ansiosa
Destes laços de músculos sadios,
Um corpo amado vibrará de gozo? -"

E os seios dizem: "- Que sedentos lábios,
Que ávidos lábios sorverão o vinho
Rubro, que temos nestas cheias taças?

Para essa boca que esperamos, pulsa
Nestas carnes o sangue, enche estas veias,
E entesa e apruma estes rosados bicos... -"

E a boca: "- Eu tenho nesta fina concha
Pérolas níveas do mais alto preço,
E corais mais brilhantes e mais puros
Que a rubra selva que de um tino manto
Cobre o fundo dos mares da Abissínia...
Ardo e suspiro! Como o dia tarda
Em que meus lábios possam ser beijados,
Mais que beijados: possam ser mordidos -"



****



Mas, quando, enfim, das regiões descendo
Que, errante, em sonhos percorreu, Satânia
Olha-se, e vê-se nua, e, estremecendo,
Veste-se, e aos olhos ávidos do dia
Vela os encantos, - essa voz declina
Lenta, abafada, trêmula...

Um barulho
De linhos frescos, de brilhantes sedas
Amarrotadas pelas mãos nervosas,
Enche a alcova, derrama-se nos ares...
E, sob as roupas que a sufocam, inda
Por largo tempo, a soluçar, se escuta
Num longo choro a entrecortada queixa
Das deslumbrantes carnes escondidas...

domingo, 4 de outubro de 2015

Conversa com um Menino

 
Thumb


  - Por que choras? – o Pequeno Príncipe perguntou.
  - Porque sou boba. Boba daquelas que o coração não sabe o que fazer, então chora. – a menina respondeu.
  - Então, por que ele não sabe o que fazer?
  - Porque ele é bobo como eu.
  - Mas por que tão bobo? – insistiu.
  - Porque chora quando não sabe o que fazer.
  - Ora, mas isso é tudo me faz sentir bobo, porque não sei o que fazer para não te ver chorar se não sei por que choras. – ele declarou com sua voz adorável. – Por que choras? – insistiu.
  Quando o Pequeno Príncipe começava a perguntar, só se satisfazia quando todas as suas perguntas eram respondidas. Isso trouxe um breve sorriso aos lábios da garotinha, que se esforçou para responder:
  - Porque tu me cativaste há muito tempo, e estou tão feliz em ver-te e falar-te que não sei o que fazer.
  - Então não faças nada. – ele sentou-se ao seu lado, sorrindo docilmente e seus corações se encheram de alegria.
  Sabia finalmente o que fazer. A menina tateou o bolso do vestido em busca de um pedaço dobrado de papel, e entregou-lhe. O menininho loiro abriu o pequeno presente e gargalhou com a risada mais bonita do mundo:
  - Que carneiro bobo!
  - Não é um carneiro bobo. Não sei desenhar carneiros. É uma ovelha boba! – ainda que não mais chorasse, seu rosto ainda estava molhado de lágrimas, que agora faziam sua face brilhar como a noite estrelada.
  - É uma ovelha boba muito bonita! Obrigada. – seu olhar era terno. – Gostaria de dar-te um presente, mas não sei bem o que seria.
  - Já me cativaste o coração. Não há maior presente. – sorria.
  - Tu também já me cativaste o coração. Assim como cativaste todas as estrelas.
  Puseram-se então a olhar o céu. Era grande e belo como o coração bobo de uma criança.
  A menina deixou cair só mais uma lágrima. Nunca estivera tão feliz em toda a sua vida, porque nunca cativara e fora cativada por melhor companhia do que o Pequeno Príncipe.

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Indicação #06 : O Pedido

O Pedido


  Saindo um pouco da linha das interativas e originais, dessa vez escolhi uma fanfic baseada em Teen Titans. Gosto sim e gosto muito, podem julgar (inclusive você, eu do futuro). Gosto de super-heróis e do raro ar cômico que a DC atribui a essa equipe especificamente. Mas, enfim, de volta ao enredo da fanfiction.
  O Pedido mostra uma parte confusa da vida de Ravena, cujas emoções estão um tanto descontroladas, já que uma das mais importantes simplesmente morreu: Felicidade. Então, a titã começa a buscar maneiras para trazê-la de volta à vida. Aviso logo que o shipper é da empata com o Beast Boy, e que se passa em anos mais maduros. A escrita da autora é impressionante e a sensação de leitura é a de ver um episódio.
  Se o leitor apreciar esta história, não pode deixar de ler a sequência Era Uma Vez Uma Família, em que o enredo fica mais profundo e envolve desaparecimento de heróis e conspirações.

Popular Posts

Atualizações

  • Born To Ultraviolence será postada agora no Wattpad.
  • Capítulo 2 de Crybaby no Wattpad.
  • The Moon Over Me finalizada no Nyah!
  • The Moon Over Me está também disponível no Social Spirit.
  • Another Dead e Clever foram excluídas.

Unordered List

Tecnologia do Blogger.

Seguidores